Obras e capacitação incentivam turismo no Centro de Salvador

O Centro Histórico de Salvador abriga alguns dos principais cartões-postais da Bahia. Construções e monumentos antigos, como o Elevador Lacerda, o Mercado Modelo, além das igrejas e dos casarios seculares, parte deles no Pelourinho, compõem um conjunto arquitetônico tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), reconhecido como patrimônio da humanidade pela Organização das Nações Unidas para Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).

Graças a intervenções de conservação e restauração promovidas pelo Governo do Estado da Bahia, em um trabalho transversal que envolve diversas secretarias e o governo federal, este patrimônio, um dos mais tradicionais roteiros turísticos do estado, está sendo revitalizado e preservado. A requalificação do Centro Histórico é possível também graças a investimentos em segurança e capacitação de profissionais do turismo. Os resultados são percebidos por baianos e turistas que percorrem as ruas e ladeiras de pedra do Pelourinho.

Mudança para melhor

O turista da cidade de Porto Alegre, Célio Levandowski, pela terceira vez na Bahia, disse que se sente mais protegido ao passear com a família por pontos como o Cruzeiro de São Francisco. “A segurança melhorou muito em relação às outras vezes em que estive aqui. Está bem mais tranquilo”, compara.

A certeza de maior segurança tem motivo. O policiamento nas ruas da região foi ampliado. Veículos do tipo van são referência para visitantes, moradores e comerciantes, funcionando como unidades móveis das bases comunitárias de segurança. As viaturas são equipadas com gerador próprio, computador, GPS e rádio para acionar a central de polícia e outras viaturas.

Além do reforço no policiamento, a prevenção e o combate a crimes contam com um sistema de videomonitoramento eletrônico. Cobrindo toda a área entre a Praça Municipal e o Carmo, câmeras transmitem imagens em tempo real para uma central de monitoramento instalada no próprio Centro Histórico. “Notei que está mais seguro. Vendo as câmeras espalhadas, dá mais segurança de passear por aqui”, afirma Joelmir Menezes, turista de São Paulo.

Recuperação do patrimônio

A recuperação do patrimônio histórico e cultural é outra mudança visível por baianos e turistas. Por meio do Programa Monumenta, do Ministério da Cultura, um conjunto de obras está revitalizando o Pelourinho e bairros vizinhos. Uma das comunidades beneficiadas é a da Vila Nova Esperança, antiga Rocinha. Em execução pela Companhia de Desenvolvimento Urbano do Estado da Bahia (Conder), a construção de unidades habitacionais beneficia 66 famílias.

Iniciadas em outubro de 2011, as obras de urbanismo são divididas em etapas. No entorno da Igreja de São Francisco, a sétima etapa, por exemplo, consiste na requalificação de 53 casarões em ruínas. Após a intervenção, as construções darão lugar a 40 pontos comerciais e 250 apartamentos que serão comercializados para servidores públicos. “A filosofia é trazer moradores para o Centro Histórico, dando uma nova vida não só através do turismo, mas para a moradia”, explica o diretor de habitação da Conder, Ubiratan Cardoso.

Ao todo, 840 casarões devem ser requalificados. Pelo menos 600 imóveis já estão prontos, com pintura nova e fachadas, janelas e telhados completamente recuperados. As melhorias se estendem à substituição e recuperação do pavimento de vias e passeios das principais ruas do Pelourinho.





Acessibilidade foi contemplada pelo projeto

As calçadas da região passam ainda por uma adequação para a acessibilidade. “No meu caso, que tenho dificuldade de locomoção, isso facilita, enquanto o calçamento antigo não nos permitia circular tranquilamente”, afirma o artista plástico Edvaldo Gato.

Após a conclusão do serviço, cadeirantes e outros portadores de necessidades especiais poderão circular em toda a área principal do sítio histórico, por meio de um circuito entre o Terreiro de Jesus e a Casa de Jorge Amado, no Largo do Pelourinho. O investimento do estado no projeto é de R$ 13 milhões.

Pelourinho terá palco articulado para shows e eventos

Os investimentos continuam, de acordo com o diretor-geral do Ipac, Frederico Mendonça. “Ao lado deste restauro, também com recursos do Ministério do Turismo, por meio da Secretaria de Turismo, estamos trabalhando para instalar um palco articulado no Largo do Pelourinho, junto com a requalificação de três largos, Pedro Archanjo, Tereza Batista e Quincas Berro D’Água”.

As obras e projetos deixam empresários e trabalhadores animados para o próximo verão. Hotéis, restaurantes, lojas e artesãos já registram um aumento no número de visitantes e nas vendas. É o caso da comerciante Ana Cristina da Conceição: “Mais turistas estão chegando. Antes estava fraco, agora o movimento está melhorando bastante”.

Governos estadual e federal atuando juntos

Desde 2008, foram investidos R$ 28 milhões em monumentos do Centro Histórico de Salvador considerados âncoras de visitação pelo Ministério do Turismo. Os serviços de restauro e manutenção de imóveis tombados e estratégicos contam com recursos do programa Prodetur 2, do Ministério do Turismo, Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e Banco do Nordeste, via Secretaria do Turismo, e contrapartida do Tesouro Estadual.

Entre as construções restauradas, destaque para a Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos, no Pelourinho. “Deu mais brilho e mais visibilidade à Igreja que, devido ao tempo e à poeira, estava um pouco apagada, principalmente o teto”, lembra o administrador da Irmandade do Rosário dos Pretos, Ubirajara Santa Rosa. Além da restauração de pinturas, painéis de azulejos e imagens sacras, a igreja ganhou elevadores de acesso e um novo telhado.

Outros monumentos restaurados incluem edificações importantes como o Palácio Rio Branco, na Praça Municipal, que atualmente funciona como sede da Secretaria de Cultura do Estado, o complexo da Igreja e do Cemitério de Nossa Senhora do Pilar, no Comércio, e a Igreja do Boqueirão.

Cultura baiana encanta turistas de todo o mundo

Pela primeira vez em Salvador, o francês Louis Nevis se encantou com o que encontrou no Centro Histórico. “Fiquei encantado com o que vi, a cultura em geral e o que mais me surpreende é como os baianos estão próximos de suas tradições. Isso é importante porque a cultura de um povo precisa ser preservada.”

Já o carioca José Luís Agostinho faz questão de passear no Elevador Lacerda e no Pelourinho a cada visita à Bahia. “Não tem como deixar de passar por aqui. A vista, a cor do mar, as construções. É sempre uma novidade, sempre muito bonito”, elogia.

Fonte: O Governo da Bahia





Deixe seu comentário