Centro de Salvador celebra Consciência Negra

O Dia da Consciência Negra será marcado hoje com uma série de programações, mas desde o início do mês a Secretaria Estadual de Promoção da Igualdade Racial  (Sepromi) está promovendo eventos culturais, através do projeto Novembro Negro, quando se celebra a memória e o legado de Zumbi dos Palmares, herói que sintetiza a luta do povo negro por uma sociedade livre e igualitária.

Para o titular da Sepromi, Elias Sampaio, as mobilizações que acontecem neste mês, não só em Salvador como em diversas cidades do estado, comprovam que “na verdade, o que o povo negro está dizendo é que precisamos avançar em políticas públicas de ação afirmativas, políticas públicas de promoção de igualdade e políticas públicas contra o racismo e a intolerância religiosa”.

O livro escrito por Makota Valdina de Oliveira Pinto, “Meu caminhar, meu viver”, está  integrando a programação do mês da Consciência Negra, quando se celebra o Novembro Negro. Será lançado no dia 26 de novembro, às 18 horas, no Forte da Capoeira, no Largo de Santo Antônio, no Centro Antigo de Salvador, contando com apoio da Sepromi e da Secretaria de Políticas para Mulheres (SPM). Ela ocupa o cargo religioso de Makota do Terreiro Tanuri Junsara, no Engenho Velho da Federação.

Memória

O livro, além de contar a trajetória de luta desta ilustre mulher, é uma forma de mostrar a importância da memória cultural do povo brasileiro e da valorização do ensino da cultura afro-brasileira e africana. Para Makota “é preciso não ter vergonha de suas origens e ir em busca da história que ainda não foi escrita, dos valores que precisam ser resgatados no sentido da construção de um mundo futuro, com justiça, equilíbrio e harmonia em face das suas diversidades étnicas, culturais e sociais; isso tem que começar a partir do lugar em que estamos no mundo”.

Já o livro ‘Mulheres de Axé’, que traz a história de mais de 200 ialorixás de Salvador, Região Metropolitana e Recôncavo, teve lançamento domingo passado (17). A publicação, uma parceria entre Secretarias Estaduais de Cultura (Secult), Políticas para as Mulheres (SPM), Sepromi, Fundação Cultural Palmares e Coletivo de Entidades Negras (CEN), destaca o trabalho das lideranças femininas pela preservação da cultura negra e combate à

Programação

O Fórum de Entidades Negras da Bahia realiza a 13a edição da Caminhada da Liberdade, hoje, Dia Nacional da Consciência Negra, a partir das 15 horas, em Salvador. O evento, considerado a maior homenagem a Zumbi dos Palmares, pretende reunir milhares de pessoas, que sairão do Curuzu, no bairro da Liberdade, em direção ao Centro Histórico da cidade.

Com o tema “10 Anos da Lei 10.639 – Reparação Já”, a tradicional caminhada propõe uma reflexão sobre os efeitos da lei que inclui no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira”. Desde 2003, o conteúdo programático nas instituições de ensino fundamental e médio, públicas e particulares, contempla o estudo da História da África e dos Africanos, a luta dos negros no Brasil, a cultura negra brasileira e o negro na formação da sociedade nacional, resgatando a contribuição do povo negro nas áreas social, econômica e política, pertinentes à História do Brasil.

Para o presidente do Fórum de Entidades Negras da Bahia, Walmir França, a atividade é consagrada como um grande ato de reflexão, debate, diálogo e aprendizado. “Estaremos de volta às ruas para celebrar os 318 anos de imortalidade de Zumbi dos Palmares. Junto a milhares de pessoas vindas de diversas partes do país, vamos promover uma grande atividade cívica em defesa dos direitos da comunidade negra soteropolitana, baiana, brasileira e toda àquela que se encontra na Diáspora e no Continente Africano”, declara.

Pelourinho

O Pelourinho também estará no clima de celebração da data com uma programação especial gratuita que agitará as ruas e largos deste que é um dos mais importantes pontos de referência para o povo negro do mundo. A programação é realizada pelo Centro de Culturas Populares e Identitárias (CCPI), e faz parte do II Encontro das Culturas Negras, ação promovida pela Secretaria de Cultura do Estado da Bahia (SecultBA) por meio de suas vinculadas para comemorar o mês Novembro Negro, projeto do Governo do Estado da Bahia, através da Secretaria de Promoção da Igualdade Racial (Sepromi).

Na abertura da comemoração do Dia da Consciência Negra, o Afoxé Filhas de Gandhy sairá em cortejo pelas ruas do Pelourinho às 20h, abrilhantando a noite com a tradição e a musicalidade de matriz africana. Mais tarde, a festa terá shows simultâneos nos largos e praças.

No Largo Quincas Berro D’Água, 21h, Graça Onasile faz um show especial com vários convidados da música negra baiana. Wil Carvalho, Afro Jhow, Carla Lis e Marquinhos Marques se unem à cantora para celebrar o 20 de novembro.

Considerado um dos mais importantes percussionistas da Bahia, Gabi Guedes traz a mistura de ritmos do candomblé com instrumentos do jazz e as batidas do afrobeat, com o projeto Pradarrum. A apresentação acontece no Largo Tereza Batista, às 21h.

E no Largo Pedro Archanjo, 21h, Dão & a Caravana Black representam a moderna música negra baiana com um repertório diversificado, que permeia ritmos como o samba, o funk, o pop, reggae e soul, entre músicas autorais e algumas homenagens a famosos artistas da black music.

No mês dedicado à Consciência Negra, o Museu Casa do Benin, unidade pertencente à Fundação Gregório de Mattos, em comemoração aos seus 25 anos (1988-2013), realizará algumas ações para celebrar esta data tão importante. Essas ações acontecerão nos dias 21 e 22.




Deixe seu comentário